quarta-feira, maio 12, 2010

A verdade e a verdade.

Queria ser o que te atrai, o que te desperta, o que faz você parar e olhar, admirar, amar.
Não consegui ser, apenas fui, vagando por cada rua, por cada página, por cada pessoa, por cada coração.
Perdi a chance, perdi a festa, perdi a diversão, perdi você, seu sorriso, sua felicidade, seu amor.

Meu cabelo que não é liso de verdade, minha aparência que não é boa de verdade, meus olhos que não são claros, e isso eu nem tentei mudar.

Também não tentei mudar de cor, nem peso, nem cabelo, nem amor, nem de cidade, muito menos de palavras, elas ainda são as mesmas, que da minha boca saem com gosto de “quero, posso, consigo", palavras que saem assim sem me pedir permissão, elas vão, sem dizer adeus, elas chegam, sem dizer olá.

Não tive o amor que queria, pois ele mora longe, também não tive outro amor que queria, pois ele mora muito perto e seu coração já tem dona e também não quis ninguém, pois ninguém me queria, e eu sou do contra.

Depois disso eu gritei, pulei e sorri, cantei as músicas mais bregas e bem alto, eu li sem parar, escrevi sem parar, amei, chutei, comi sem parar, andei, parei, peguei chuva, Gastei de mais, chorei de mais, ri de mais, falei de mais. Também, senti saudade, senti fome, senti medo, senti angustia, senti sua falta.

Sinto sua falta, falta de um olá, de um bom dia, boa tarde, do cheiro da sua mochila, da minha mão em seus cabelos, da sua boca carnuda na minha, da sua mão gélida nas minhas costas, dos seus olhos, e até do seu amor que nunca foi verdadeiro.

Mas também, eu vivi, traí, amei de menos, fiz alguém sofrer, fiquei bêbada, pensei em sexo e depois, pensei de novo, e ainda penso. Menti, iludi, disse que amava-então meu coração doeu-e percebeu que isso, não dava para mentir, amar é amar, amar não é mentir.

Porém eu fui feliz, fui triste, fui roqueira e depois punk, quis ser hippie mas me dou bem com o brega, quiser ser ela, a que você ama, quis ser a outra, quis ser uma mosca, mas não da sua sopa; Com isso só descobri que um só perfil se encaixava em mim, o meu.

2 comentários:

Malú Azzoni disse...

Depois de passar por tanta coisa, tudo o que realmente temos somos nós mesmos.

“Depois de todas as tempestades e naufrágios, o que fica de mim em mim é cada vez mais essencial e verdadeiro.”
Caio Fernando Abreu

Rebeca Postigo disse...

Amei!!!
Uma mistureba de sentimentos em um texto que ao final me fez sorrir...

Bjs