terça-feira, outubro 12, 2010

Você me cria...


"...Ela me pediu para ficar e ela me disse para sentar em qualquer lugar,
Então eu olhei ao redor e notei que não havia uma cadeira..."
Norwegian Wood-The Beatles




Seu quarto era de um rosa, um rosa que encanta que te faz sentir em um mundo melhor, te traz calma e paz.
Entrei caminhando lentamente, não queria assusta-la ela parecia perdida em seus brinquedos...
Seus livros jogados pelo chão do quarto... Discos...
Mas apenas uma coisa despertou a minha atenção, um livro, um com uma mulher atraente com um batom vermelho em uma capa já surrada pelo tempo, uma mulher jovem com um chapéu branco, de época, brincos de pressão brancos e um blazer que mal aparecia, pois o título em verde contornado de preto estava na frente, “... um capricho dos Deus...” Li mentalmente, quando subi os olhos para ler o autor...
Ei, por que está parado ai?- ela estava parada no meio do quarto entre discos e livros, e alguns papéis amassados. - Entra logo, converse comigo enquanto eu termino de organizar minhas coisas...
“Minhas coisas? - pensei- Seus brinquedos isso sim...” Então entrei e sentei de baixo da janela, por onde alguns raios de sol tentavam driblar a cortina.
Já leu esse livro?- ela apontou para a capa da mulher de branco, que me encantou.
Não, você sabe que eu não tenho tempo para essas coisas!- respondi.
Livros não são coisas, coisas são coisas que precisam de nomes- ela então pegou o livro e o abriu em qualquer página e começou a ler- “ A viagem de táxi para o prédio de apartamentos levou dezessete minutos.” Já pensou?- Então ela me encarou.
Em que?- perguntei sem entender a pergunta.
Se tudo tivesse o tempo assim, exato- explicou fechando o livro.
Tudo tem o seu tempo- expliquei.
Não o tempo exato- Ela caminhou até cama e se jogou- a viagem até o apartamento, sempre vai ter dezessete minutos...
Mas se tiver transito... - interrompi
Você entendeu- então ela levantou e sentou na cama- agora as coisas mais lindas da vida só tem tempo exato depois que, acabam... Não tem como você olhar no relógio e dizer que “ vou acabar de amar você daqui cinco minutos”- ela colocou o dedo indicador da mão direita sobre o pulso esquerdo- está na hora de amar!
No fundo ela tinha razão, mas eu não queria confessar, sentia um prazer enorme em contrariá-la, e assim ela viria com as suas teorias, que fingia odiar, mas amava.
Acho que você está lendo de mais querida- confessei.
E eu acho senhor Mariano- então levantou da cama e pegou uma pilha de livros que estava no chão perto da cama- que você está lendo nada, ou lendo só mentiras.
Ler jornal não é ler mentira- expliquei, reparando que ela tinha um disco da Tina Turner de baixo do travesseiro.
Se o que você diz- ela colocou a pilha de livros sobre a mesa e começou arruma-los na prateleira que estava há cima da mesa- não vou te contrariar, não troco meus livros por nada, assim como você não troca o seus jornais e políticos por nada.
Sim- infelizmente concordei.
Mas seria tão bom... – suspirou.
O que?- perguntei confuso.
Se pudéssemos inventar as coisas, mentiras... E contar no dia a dia- ela parou de arrumar os livros e virou-se e abriu seus abraços brancos e magros, como se fosse abraçar o mundo- contar histórias para todos, histórias inventadas e as pessoas amarem e não nos julgarem por isso.
As pessoas fazem isso - sugeri.
Sim, mas sempre nos machucamos com isso. - nessa hora, abaixou os braços, atravessou o quarto com passadas longas, como se fosse uma criança em uma calçada, querendo pisar só no branco, parou na minha frente e dobrou os joelhos-adoro mentiras sabe? Adoro as mentiras que meus escritores preferidos contam para mim todos os dias.
Então você mente pra mim?- encarei seus olhos castanhos, senti meu coração disparar com medo da resposta.
Como assim?- a face dela ficou confusa.
Você que faz a minha vida, você a controla... – confessei- como um escritor controla a do seu personagem inventado.
Controlo-te? Que coisa mais boba!- ela foi erguendo-se e eu a segurei pelas mãos.
Será que você me alegra com as suas mentiras todos os dias?- perguntei.
Como poderia? Você é a única verdade que eu sinto você é a única verdade na minha vida, a verdade que não encontro nos livros. - ela levantou-se e depois sentou do meu lado relaxando a cabeça no meu ombro- sempre te disse a verdade, mesmo com as nossas diferenças e...
Discussões- completei.
Mas você me completa- ela ergueu a cabeça e me encarou- E outra, eu não criei você, se tivesse criado você, eu não seria assim, tão feliz ao teu lado, você é como um presente dos Deuses...
Um capricho dos Deuses?- perguntei entre uma risada.
Besta- ela apontou para o livro- você vai ter que ler esse livro.
Tá certo, eu vou ler. - acariciei seu rosto- a única coisa que temos em comum é o sentimento, a amizade... Que aliás, é muito forte.
Ela aquiesceu e descansou a sua cabeça no meu ombro outra vez, não sei quando tempo ficamos ali, dezessete minutos? Horas? Nenhum relógio poderia fazer essa estimativa. Ficamos ali um ao lado do outro, brincando com as mãos uns do outro, no meio daqueles brinquedos de gente grande: discos e livros... E alguma música de fundo, baixa, que ficou se repetindo várias vezes no computador dela... Ela tinha essa mania de escolher uma música e fazer dessa, a música do dia... Que aliás, ficou na minha cabeça por vários dias seguidos.
“...I once had a girl Or should I say She once had me...”

6 comentários:

Luiza disse...

tão criativo moça, e realmente, as outras coisas mão tem hora, são imprevisíveis, assim como seu fim. adorei relaxar por aqui com palavras tão delicadas e educativas. beijos

Betty Gaeta disse...

Oi Lu,
Gostei do conto. Vc realmente escreve muito bem.
Bjkas e uma ótima quinta-feira para vc.

http://gostodistonew.blogspot.com/

Danielle Signori disse...

oi lu adorei seus textos!

Tem peças novas na blogstore! comenta lá! bjo Dani Signori http://signoritaccessori.blogspot.com/

Luu disse...

*-* Sidney Sheldon!
Nossa, você aproveitou cada linha do texto, e tudo com muito conteúdo. Foi simples e tão delicado.

Parabéns, gostei muito!
;*

Manias de Benetti disse...

Adorei esse pedaço 'seus livros jogados pelo chão...discos'
Imagino o meu quarto rsrsrs


Boa sexta-feira
;*
Marina

Rosi Tonaco disse...

Adorei seu blog e estou seguindo, ficaria muito feliz se você seguisse o meu também ;):
www.tressebien.com

Bjks e bom final de semana