domingo, setembro 20, 2009

"É a fantasia subjetiva pura"

Anúncios, placas de vende-se e alugam-se, pessoas correndo, andando, sentadas. Árvores, secas; verde; tronco; Drogaria, lojas, mercados, prostíbulos, locadoras. Passando. ... Passando. Muito rápido, mas não veloz, não muito lento que não desse para ver.
Luzes, uma acima, branca. Rostos: sorrindo, outros sérios, e um ao meu lado, não identifiquei sua fisionomia. Carros: buzinando, alguns com o som muito alto, outros com pessoas rindo, outros carros estavam apenas parados, vazio. Tinhas várias músicas, tocando ao mesmo tempo, uma feira de música, com ritmos e letras, diversificadas, mas tinha um barulho irritante que me acompanhava; Algumas músicas que ficaram para trás falavam de amor, outras nem tanto. Mas a única coisa que eu realmente ouvi foi algumas palavras, mas não entendi o porque eram ditas.

- Mãe, por favor, agüente firme, estamos chegando ao hospital.

6 comentários:

Leonardo Tadashi Nakasone de Paula disse...

Um bom texto! Mostra muito bem a subjetividade que poucas pessoas reparam e pensam sobre elas. Gostei muito, ainda preciso pensar mais sobre o assunto para fazer algum comentario mais construtivo.

Adorei seu blog!!

http://ensaioseteoriasasavessas.blogspot.com

Anderson Dias, Ander, Andermaster disse...

Subjetividade: mundo interno do sujeito.

Cada um a vive no dia a dia, cada dia uma nova sensação, um novo momento. Enquanto uns gozam, outros vivem o desprazer. Uns falam de amor, outros de ódio. Uns se contentam a chegada de um novo ser e outros fazem o que podem para evitar uma partida.

E cada um reage de um modo distinto, perante a subjetiva condição.

Paz linda, muito bom o texto e o modo que trouxe o pensamento é admirável.

Bjos!! Voltarei! ;)

Guilherme Lombardi disse...

muito bem construida a idéia do texto, gostei de como foi abordada a subjetividade. Parabéns pelo blog.

chris disse...

Gostei da narrativa rapida, consegue construir um texto interessante, prender a atenção e ter um desfecho repentino, uma inversao de expectativas! Seu blog não tem nada de feminista, mas é permeado de uma grande feminilidade, adorei !

Ibere

http://ibererestivo.blogspot.com

Anônimo disse...

Muito bom Lua.........

Realmente só conseguimos notar algo, quando estamos perdendo alguém ou algo, porém as vezes é tarde.

Gutt e Ariane disse...

Que conclusão hein! Por Odin! A optica indivualista aflorando por tudo qto é poro...