quinta-feira, março 03, 2011

Desabafando.

Estou me desmembrando, morrendo ao poucos. Ontem chorei de saudade, lembrei-me de uma guerra de bexiga, de uma festa surpresa, e resumi todas as manhãs, lembra quando a gente chegava vinte minutos antes da aula, comprava pipoca, subia pra sala, e sentava nas mesas e ali ficava? Rindo a toa, as 07h10min da manhã, falando besteira, contando o que passou, comentando o que é. E hoje eu escrevo: é acabou.

E eu me pergunto, se eu me lembro de quando subia a escada para pátio central e que sempre olhava pra direita? Lembro sim. Lembro todo dia. Procurava ele e sua turma, mesmo sabendo que eles já não estavam mais lá, era só pra confirmar, a saudade era grande, mesmo que as feridas fossem profundas também. Estou padecendo aos poucos...

Cada dia que passa parece que perco um pouco de mim estou mais longe de vocês, sendo que dele estou longe faz tempo... Mando mensagens, escrevo recados e agora faço textos, choro dentro do ônibus, coloco fotos antigas no celular, só pra fazer de conta que foi ontem, foi semana passada ou que foi agora a pouco.

Já me recusei a sofrer por outros. Sofrer só se for por aquele menino, e amar também.

Agora me recuso a amar tantas pessoas, fazer uma amizade com raízes tão profundas pra depois o tempo vim simplesmente e acabar com tudo, para alguns rapazes chegarem e levar as minhas folhas, minhas flores, meus frutos...

Sou uma árvore velha, sem nada de bom pra oferecer... Perdi meus alimentos e minha raiz está apodrecendo.

Pois mais que os risos às vezes sejam presentes hoje... Nada é como um dia foi plantando.

Sinceramente quase nada está valendo a pena. Estou me escondendo por trás de palavras já escritas e busco a solidão constantemente. Queria que a chuva desses dias lavasse a minha alma, meus traumas e meus amores antigos, nada recíprocos, pois assim eu poderia acordar olhar para o mundo e para pessoas como os olhos de criança, e ter a curiosidade de querer saber de tudo de saber como é mundo e querer amar. De não ter medo de andar, poder filosofar sem amores para reclamar, sem saudade pra sentir, sem mensagens pra mandar.

Quem sabe amanhã... Quem sabe...

Tão dizendo por ai que isso passa... Mas acho que a saudade resolveu ficar, esta marcou um encontro com as lembranças... Elas resolveram conversar...

Estou chata eu sei. Careta. Careta. Mas é quando escrevo a verdade e sou verdadeira sem ficção alguma, sem Lobos e Lua para encantar, eu sou isso aqui...

Eu que sempre admirei os escritores, as palavras calorosas e aflitas, e suas descrições... Mal sabia que era tão ruim ser poeta e sentir o mundo como ele é... Não ter o mesmo encanto que os outros. Sou um estatua em um banco, petrificada pelas minhas tristezas, pelas minhas angustias, saudades, amores, temores. Daqui não saio mais, só alguém me salvar, mas também já não tenho mais esperanças... Está difícil sobreviver aos dias, estou cansada de ficar parada, de ser o nada, e sentir tudo. Às vezes não tem, mais porque continuar... Raízes indo pelos ares... Estou padecendo, e desta vez, não tem volta.

7 comentários:

Alicia disse...

Sempre tem por que voltar. As vezes a gente demora a achar um motivo.

Gabriela Freitas disse...

"Sou uma árvore velha, sem nada de bom pra oferecer...' Quem disse Lu, quem disse? Tens tanto talento, tens tanta sabedoria a oferecer, e vou te falar mais, só se é feliz quem é triste, se você não sofrer como vais saber que esta feliz?
Eu sei como e se sentir assim, as vezes acho que viveste o que vivo, ou algo assim, e temos tanto tempo de diferença...
Talvez seja por isso que gosto tanto daqui.
E vou deixar uma mensagem, talvez eu consigo arrancar um sorriso de seu rosto, vou ser bem sincera ok? Já lhe disse uma vez, mas vou repetir, um dia quero escrever coisas da mesma maneira como você escreve, o No recreio é o blog que mais me inspira a escrever!
Não deixe que a angustia tome conta de você, não acredito nessa de que um novo amor faz a gente esquecer do velho, mas as vezes é bom tentar, pod ser que o velho nãosaia daí e que a dor cotinue, mas talvez uma noite com outro alguem te renda muita risada!

Van disse...

Os amores não são substituíveis , pois cada um traz a sua história , cada um tem seu contexto... Mas a vida nos traz sempre novos e outros amores, com outros sabores, saberes e cores para desfrutarmos. Nunca se permita fechar para o amor. Sei bem que dor de poeta é aquela que dói mais, porque sentimos direto na alma , como fogo a queimar e incendiar tudo , mas o senhor tempo se encarrega de nós e, quando menos esperamos, já estamos diante do arco iris, colhendo flores e entregando ao bom do novo amor que chega. A esperança é a raiz mais profunda do nosso coração. Permita-se sonhar sempre , enquanto o novo amor não chega, sonhe com o que viveu e ame-se ! Grande Beijo, Lu !

ૐ 'Priiscylα disse...

Me sinto assim ! Talvez não possa ser uma fase, talvez seja pra ficar. Mas nunca pense negativo, há alguams coisas que sempre, sempre te derrubam mas não se deixe continuar no chão, a gente segue juntas !

Beijãoo Lu *;

• cynthia bs disse...

Tem selinho para você em meu blogue, Lú. Beijo grande e ótimo carnaval :)

Rodolpho Padovani disse...

Aprendi que as coisas passam sim e que a vida reserva pra gente surpresas tão inesperadas que achamos que não são reais, por mais que tenhamos momentos como esses, de querer desistir de tudo e se afogar na desesperança, sempre tem algo pelo qual vale a pena continuar.
Não podemos nos prender no passado e viver de lembranças, a vida não espera, o futuro chega de repente e se não aproveitarmos perdemos chances por estar com a cabeça em dias que ficaram para trás.
Sei que a saudade dói, que tudo parece não fazer sentido, mas apesar de clichê, é verdade: Tudo passa, mais cedo ou mais tarde.

Bjs e se cuida.

Bárbara Matos disse...

Hey, tem meme no meu Blog pra você ^^
http://ela003.blogspot.com/p/memes.html