segunda-feira, janeiro 03, 2011

A cor das frases

LAirduTempv2_tile_full_large

Uma poltrona para sentar, um livro para ler, um dia de chuva, um dia nublado de saudade.

Ah existe uma menina sentada na janela... Com desejo que tudo pare por um segundo ou quem sabe por vários dias para que ela possa decidir o que quer e para onde quer ir, mas o mundo não para. Não para ela e nem para ninguém.

Pela janela da sala ela pode ver o céu nublado, cinza saudade, um dia cheio de tristeza um dia em que alguém pode amar ou pode estar morrendo... Alguém nasce e um bebe chora... Todas as coisas estão acontecendo sem pedir permissão sem querer saber se queremos ou não que elas aconteçam, pois tem vida própria, são donas de um destino no qual fazemos parte sem querer sem saber.

Desiste do livro e deita no sofá o dia parece que será longo, não aguenta mais ficar em silencio com a sua mente, pergunta-se em que parte do caminho seus questionamentos começaram a lhe dor de cabeça, e pensa... Pensa. Pensa. Os questionamentos se confundem com a realidade um sono... Um sonho chega aos seus olhos pesados como a chuva que cai lá fora, e o sono... Adeus mundo. Um adeus breve, um até logo...

Em seu sonho as cores se misturam com uma face que a tempo não vê de perto, frases soltas “Que bom ver você te perto...” ela quer rir mais não consegue, pois o rosto dele está com várias oscilações de cores... Ela quer abraçar, quer ficar mais perto- só mais um paço- nada mais. As mãos que se tocam os olhares que se cruzam. E por um breve instante ela sabe que foi feliz, que um pouco da saudade morreu e mais um dia amanheceu. A realidade fora do sonho é cruel e sem cor.

Levanta, quer água, quer ir embora... Quer ficar.

Uma sensação boa toma conta do seu corpo- será uma premonição?- não acredita nessas coisas. O telefone toca- Alô?- do outro lado uma voz forte, conhecida que a tempo ela não escutava, mas acabara de escutar em seus sonhos “Que bom ver você de perto”, sente as pernas bambas- Lilian?- ele chama mais uma vez...

Era uma boa premonição...

8 comentários:

Betty Gaeta disse...

Oi Lu,
Adorei o texto. Adoraria ser despertada por um telefonema assim.
Bjkas e um ótimo 2011 para vc.

http://www.gostodistonew.blogspot.com/

Manuella Monte Santo disse...

Saudade doi... aperta muito, o texto descreve bem o sentimento, da falta e fa vontade de ter por perto.
Beijos.

Arianne Carla disse...

"Os questionamentos se confundem com a realidade um sono." Muito bom, gostei muito do blog. Apenas não estou seguindo agora porque estou off no meu blog. Mas aparecerei por aqui mais vezes. Um lindo 2011 pra você e toda sua família. Arih

Dave disse...

Forte, profundo, intenso, tocante... Adorei! Li duas vezes e dá pra sentir apenas pela leitura toda a intensidade de cada uma das coisas que você descreveu. Parabéns!

Vou te seguir.

Beijo!

ૐ 'Priiscylα disse...

Concerteza, uma boa premonição;
beijo ;*

gabs disse...

Sempre muito forte, tocante. Adoro o No Recreio.

Amanda Arrais disse...

Engraçada a sensação que tive ao te ler. Uma mistura de cores e confusões, gostei.

=*

Descobrir-se Descobrindo disse...

Ilusão e realidade se confundem. A vida, os acontecimentos nos motivam realmente a criações incríveis, e incrível está o seu texto. Adorei.