terça-feira, setembro 07, 2010

O que não vemos...

“Saiu do quarto de hospital.
Caminhou para o jardim.
Ali abitavam mais de vinte espécies diferentes de flores.
Desejou acordar, desejou que aquilo fosse um pesadelo.
...um pesadelo com tanta beleza.
Descansou a cabeça nas mãos por um longo tempo.
Esfregou os olhos, viu no meio da escuridão do seu olhar, cores, várias cores, e pontos brilhantes...
Ergueu a cabeça, admirou o céu, seus olhos arderam.
O sol estava ali, quente e forte.
Sentiu uma gota escorrer em suas costas, ali em segredo, por de baixo da camisa polo azul marinho.
Uma brisa veio para lhe refrescar... Energia... Energizar...
Uma confiança tomou conta do seu corpo e a esperança preencheu a sua alma.
Então, agradeceu a Deus.
Pois sabia que aquilo eram forças que Deus o enviará.
Era a sua fé, sendo renovada.”

7 comentários:

Amanda Arrais disse...

Consegui imaginar cada elemento da cena e esse texto ficou leve, trouxe uma boa vibração.

=*

Rebeca Postigo disse...

Amo o vento...
Não sei explicar direito por que...
Só sei que me sinto bem com brisas...
Adorei teu texto...
Fantástico!!!

Bjs

Betty Gaeta disse...

Oi Lu,
Adorei o texto. Eu já vivi e de certa forma ainda vivo pesadêlos de hospitais e sei bem o que é isto ...
Eu tb gostaria muito de ler o livro do Truma Capote, pois dizem que é bem diferente do filme.
Bjkas e uma ótima quinta-feira para vc.

http://gostodistonew.blogspot.com/

Karine Melo disse...

o que precisamos é extamente isso, uma fé renovada. A partir daí que tudo acontece!

Lindo, Lu!

deixo um beijo enorme :*

Anônimo disse...

Adorei o texto.

Júlia disse...

Que lindo, arrepiei ahah, de verdade!
Adorei aqui, ta de parabens
Beijao

Luiza disse...

é disso que a gente precisa, fé sendo renovada. gosto das tuas histórias, beijos =)