segunda-feira, novembro 02, 2009

Pelo vidro do carro ( fugindo do conto)

“Eu ando distraia!“ Ele, me chama a atenção...
“Eu ando sumida” Ela diz quando me ver.
Eu apenas digo, “ È eu ando”
Eu ando por ai, vejo tudo, que cujo seria o tudo, que não me vê?
Tudo que o qual eu entro, eu logo penso, e quando vejo, lá estou eu andando,
Eu olho de dentro de tudo que eu vejo, e percebe que tudo que vejo, anda também, mas eles nunca passam de mim, mas eu sempre passo de tudo, e tudo vai ficando para trás, se eu paro


Eles param também...

Seeuvourápito,tudovairápidotambém A G O R A...


Se... eu.... for... devagar... tudoo... v..a..i..de..e.v..ag..ar..tam..bém...

Por isso que eu não vou sempre a mil, e nem sempre a morte.
Eu vou sempre... Caminhando...

Andando meio para cima.
Andando meio para baixo.
Andando com uma xícara vazia.
Andando com estranhos...
Andando no tudo, no tudo que me faz, sentir, nada!



obs: Obrigada por todos que estão lendo o conto e comentando também. eu tenho a parte sete escrita já. Mas eu enjuei um pocuo, acho que não está bom o suficiente. tirando que acho que o conto já está ficando enorme...aliás tenho até a parte 12 já... e ainda não acabou, quem sabe a Miúda volte, mas por hoje... e pelas próximas semanas, ela estara por ai... procurando um certo "papelzinho"...


Beijos, luz a todos!

4 comentários:

Felicidade Clandestina. disse...

No ritmo das tuas palavras,
ora lentas,
ora apressadas...

dancei*

amo :*

Papagaio Mudo disse...

Lua,


assim que é. Vai em frentes.>
abç

>¨<
gus

Papagaio Mudo disse...

sigo-te.

Dóri disse...

Adorei esse jeito de usar as palavras, incrível.

Beijos

umanacoluto.blogspot.com